Novidades

  • Fique por dentro
  • Para nós, o céu é o limite!
Home   Novidades
Adamos Tecnologia 20.09.2017   |   Releases

Crescente Onda De Ciberataques Revela Fragilidade Das Empresas Com Segurança Da Informação

Além da falta de cultura, especialista da Adamos Tecnologia aponta que más práticas na gestão dos dados acarretam prejuízos "evitáveis"

 

Parece clichê, mas nunca foi tão certo o ditado: prevenir é sempre melhor do que remediar. Não só pelo valor e gosto amargo da posologia, quando ainda há sinais de cura, mas, principalmente, pelo momento de crise que muitas empresas enfrentam no Brasil, na qual cada centavo conta. Essa é a visão do especialista da Adamos Tecnologia, Roberto Stern, que atua há 27 anos no mercado de TI, 15 deles desenvolvendo soluções voltadas para segurança de dados e suporte remoto.

Segundo o estudo The Global State of Information Security Survey, realizado pela PwC, em 2015, com a participação de 10 mil executivos de 127 países, sendo 600 do Brasil, foram identificadas 8,7 mil ocorrências de casos relacionados à segurança de dados em companhias de diferentes setores. Número 274% superior em relação ao ano anterior, levando ao prejuízo de US$ 2,5 milhões. "O que assusta é que, segundo outra pesquisa do mesmo instituto, mas realizada pela EY, no mesmo ano, com 1775 executivos de 67 países, incluindo o Brasil, apesar do impacto financeiro, 63% das empresas ainda não investem em programas de prevenção", aponta Stern.

Ainda segundo o especialista, num panorama mais recente, mas não menos assustador, o IDC aponta que 85% das companhias brasileiras (entre as 200 grandes empresas ouvidas) ainda não terceirizam o data center e que, apesar de metade delas (45%) considerarem importante a adoção desse tipo de serviço, apenas 25% o fariam, de fato, pela questão da segurança física e de dados.

Muito mais do que alocar os dados na nuvem, a maneira como ocorre o gerenciamento dos dados e a realização do backup faz toda a diferença na hora que um ciberataque ocorre. "As empresas precisam ter a garantia de restauração de suas informações, minimizando a zero o pagamento de resgate pelos mesmos", aponta Stern.

Desse modo, além de ter um ambiente adequado para armazenar informações, ele precisa ser seguro, ser criptografado e 100% automatizado, liberando a equipe de TI para a prática de outras atividades. "A aculturação às essas boas práticas, pelo o que as pesquisas apontam, será a ferro e fogo, após muita dor e se ainda for possível aliviar as empresas da bancarrota", alerta o executivo.

"Atualmente, a evolução digital trouxe novos desafios às empresas, principalmente no quesito de cibersegurança dos dados. É imprescindível que o empresário esteja preparado para proteger as informações do seu negócio para não cair nas mãos da concorrência ou até de hackers que possam denigrir a imagem da marca", comenta Stern.

Os riscos para o vazamento ou perda de dados podem vir de ameaças internas, como funcionários com má índole, processos falhos ou equipamentos com defeitos. Já as ameaças externas se estendem a incidentes, como incêndios e raio, além de roubo, vírus, ransomware, entre outros fatores.

Para que não ocorra a perda ou extravios das informações estratégicas da empresa, é indispensável que o empreendedor treine e conscientize sua equipe, visto que, falhas humanas, que incluem funcionários desatentos ou negligentes, causaram 31% das violações de dados das empresas, segundo pesquisa da IBM em parceria com o Instituto Ponemon, sobre Custos de Violação de Dados 2017, de julho de 2017. A pesquisa ainda revela que ataques maliciosos ainda são a principal causa da violação de dados, sendo responsáveis por 44% dos casos analisado, a um custo de R$ 4,72 milhões para reparar os danos, um aumento de R$ 41 milhões em relação ao ano de 2016.

Para evitar a perda, roubo ou violação, a conscientização é o primeiro passo para evitar os prejuízos. Informar os funcionários, mostrar os riscos e como a perda de dados afeta a empresa e os clientes é um dos primeiros passos. "Também é preciso fazer reuniões que apontem o custo se a empresa parar por um ou mais dias e como os próprios funcionários serão afetados", detalha Stern.

Outra forma de evitar incidentes é mantendo os sistemas operacionais atualizados, nunca utilizando softwares piratas, mantendo o antivírus e o anti-malware atualizados e utilizando um bom firewall. O especialista também aconselha para não ligar o servidor principal direto na internet, pois isso faz com que o servidor fique vulnerável a ataques.

"Adicionalmente, é preciso manter uma política de acesso e segurança aos arquivos. Além disso, o empresário deve compartilhar apenas o que for essencialmente necessário e somente pessoas autorizadas e treinadas devem poder instalar aplicativos", alerta Roberto. Nesse âmbito, a empresa deve instituir regras para senhas, utilizando apenas combinações fortes e difíceis de serem quebradas, como frases longas com maiúsculas, minúsculas, números e símbolos, com um mínimo de 12 caracteres, o ideal seria a partir de 14. A política de segurança também deve incentivar a troca frequente das senhas, mantendo-as armazenadas em aplicativo para tal, ou impressas e guardadas em local seguro, como cofres.

Outro aspecto importante é testar regularmente o Backup e se as práticas e protocolos de ação estão bem dimensionados e a equipe treinada. "Na hora do aperto é preciso ter certeza que os dados estão seguros e acessíveis", alerta Stern.

Por fim, a empresa deve ter estratégias para recuperar os dados e evitar que após o ataque ou perda, a empresa não seja prejudicada. "Faça uma, duas, três cópias de segurança ou backup, teste as cópias e mantenha as mesmas em locais distintos de onde estão os dados originais. "Adicionalmente teste a restauração com frequência, simulando a perda de dados, assim é possível avaliar quanto tempo esse processo leva e se a equipe está preparada para realizá-lo da forma mais efetiva e rápida mitigando perante o mercado o tempo de parada das operações", finaliza o especialista.



<  Voltar para Novidades